Busca no site:

“Métodos para Detecção de Fraudes” é tema do VI Conbratri

Juiz de Fora sedia, de 29 a 31 de agosto, o VI Conbratri – Congresso Brasileiro de Teoria da Resposta ao Item e Métodos Quantitativos em Avaliação.  Promovido pela Associação Brasileira de Avaliação Educacional (Abave), o evento tem como tema “Métodos para Detecção de Fraudes em Testes”, reunindo conferências, minicursos, comunicações orais e sessão de pôsteres no Victory Business Hotel. O objetivo é discutir as possibilidades e os limites das técnicas estatísticas, visando ao aprimoramento dos processos de avaliação, seleção e certificação.

A quarta-feira, dia 29 de agosto, é dedicada aos minicursos. “The Theory and Application of Statistical Detection of Cheating on Tests” é o minicurso a ser ministrado pelo professor da Universidade de Wisconsin, James Wollack, das 9 às 17 horas.  José Francisco Soares, professor aposentado da UFMG e membro do Conselho Nacional de Educação, ministra o minicurso “Construção de Indicadores Educacionais e Sociais”, das 14 horas às 17h30. A partir das 18h30, acontece a sessão de pôsteres.

O professor James Wollack é quem faz a conferência de abertura do VI Conbratri, “The Testing Industry’s Toolkit to Combating Cheating on Tests”, na quinta-feira, dia 30, às 9 horas. Ainda pela manhã, entre 11 horas e 12h20, ocorrem as comunicações orais, com a apresentação de quatro trabalhos. Às 14 horas, está prevista a conferência “On the statistical meaning of the item parameters in IRT models”, do professor Ernesto San Martín (Pontifícia Universidade Católica do Chile), seguida da palestra “Construção de escalas e avaliação da unidimensionalidade usando o modelo não paramétrico de Mokken”, do professor Jacob Arie Laros (UnB), marcada para as 15 horas. De 16h30 às 18h50, uma nova rodada de comunicações orais, com a apresentação de sete trabalhos.

San Martín volta a falar para os participantes do evento na sexta-feira, dia 31, às 9 horas, sobre “Analyzing the Non-equivalen Group with Anchor Test Design from a Partial Identification Perspective”, seguido pelo professor Héliton Ribeiro Tavares (UFPA), cuja conferência sobre “Modelos estatísticos para detecção de fraudes e aplicações” está agendada às 10 horas. A conferência de encerramento do VI Conbratri será ministrada pelo professor Flávio Cunha, da Rice University (Houston/EUA), às 11h30.


Criado em: Aug 28 2018 | Categoria: Notícias |

CAEd realiza I Seminário Internacional de Avaliação da Alfabetização

O I Seminário Internacional de Avaliação da Alfabetização, promovido pelo Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF), reúne especialistas em educação infantil até amanhã, 28 de agosto, no anfiteatro da Faculdade de Letras, no campus da UFJF.

A programação teve início nesta segunda-feira, 27 de agosto, com a conferência “Habilidades cognitivas implicadas na leitura e compreensão: teoria e avaliação”, proferida pela professora Hakima Megherbi, da Université Paris XIII (França), sob a coordenação da professora Josiane Toledo (CAEd/UFJF), seguida da mesa sobre “Novas estratégias avaliativas para a alfabetização”, com a participação dos professores Josiane Toledo (CAEd/UFJF), Manuel Palácios (UFJF), coordenador geral do CAEd, e Hakima Megherbi (Université Paris XIII), sob a coordenação da professora Hilda Micarello (UFJF).

À tarde, a mesa “BNCC e a transição da educação infantil para o ensino fundamental” reuniu as professoras Vanessa Neves e Mônica Corrêa Baptista, ambas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), sob a coordenação da professora Rita Coelho (CAEd/UFJF). Às 16 horas, os professores Renan Sargiani (USP) e Maria Regina Maluf (PUC-SP) compuseram a mesa “Psicologia e neurociências: contribuições”, sob a coordenação do professor Carlos Mourão (UFJF).

“Diferenças educacionais entre estados brasileiros: o que podemos aprender com nossa própria experiência” é o tema da conferência de Felipe Recch (Universidade de Stanford, EUA), que abre a programação de terça-feira, dia 28 de agosto, às 9 horas, com coordenação do professor Manuel Palácios (UFJF).

Ainda na manhã de terça, às 11 horas, acontece a mesa “Experiências estaduais de avaliação em larga escala e educação matemática”, com a participação de representantes dos programas estaduais Luciano Nery Ferreira Filho (SPAECE-Alfa), Paulo Cesar Possato Aragão (PAEBES- Alfa), Roziane Marinho (SOMA) e Ana Selva (SAEPE), sob a coordenação de Maurício Holanda (ex-secretário de Educação do Ceará).

Encerrando o evento, às 14 horas, as professoras Hilda Micarello (UFJF) e Vanessa Fernandes e Silva (Colégio de Aplicação João XXIII) apresentam “Protocolos de leitura como estratégia de avaliação formativa”.


Criado em: Aug 27 2018 | Categoria: Notícias |

Mestrado profissional do CAEd entra em período presencial

O Programa de Pós-graduação Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública da Universidade Federal de Juiz de Fora entrou em seu período presencial de atividades. Durante as próximas três semanas, os alunos estarão em Juiz de Fora tendo aulas e realizando as provas das disciplinas cursadas no ambiente virtual de aprendizagem.

Oferecido na modalidade semipresencial, o curso conta com alunos de diversos estados brasileiros, e os encontros semestrais são uma oportunidade para que eles troquem experiências e interajam entre si e com o corpo docente. A cursista Luciana Bortolucci, que inicia suas atividades no mestrado neste semestre, elogia o formato: “Acredito que a modalidade semipresencial é ideal para quem deseja uma discussão aprofundada, de qualidade, mas com a flexibilidade de desenvolver os estudos no horário mais apropriado para cada um. E, com os encontros esporádicos, não perdemos a interação com os colegas, um dos pontos fortes dos cursos presenciais”, avalia.

O curso é destinado principalmente a diretores de escolas públicas e técnicos dos órgãos de gestão da educação básica pública em exercício. O Programa concentra-se na área de Gestão e Avaliação da Educação Pública, com as seguintes linhas de pesquisa: Modelos, Instrumentos e Medidas Educacionais; Gestão, Avaliação e Reforma da Educação Pública; Equidade, Políticas e Financiamento da Educação Pública; e Avaliação, Currículos e Desenvolvimento Profissional de Gestores e Professores da Educação Básica. Já foram defendidas mais de 700 dissertações desde a implementação do programa, em 2009.


Criado em: Jul 17 2018 | Categoria: Notícias |

CAEd integra iniciativa internacional para avaliação digital

Colaboração entre países europeus e centro de pesquisa tem em vista soluções tecnológicas para desenvolvimento da educação Leia +


Criado em: Jun 18 2018 | Categoria: Notícias |

CAEd recebe secretário de educação superior do MEC

O CAEd recebeu, essa semana, o professor Paulo Barone, secretário de educação superior do Ministério da Educação e também docente do Programa de Pós-graduação Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública do CAEd/UFJF. O professor levantou pontos relevantes de seu trabalho e pontuou alguns caminhos e desafios da educação superior no Brasil.

Há dois anos na secretaria, Barone afirma que, ultimamente, está focado em retomar a dimensão política da gestão. Ele acredita em uma nova perspectiva para o futuro da educação superior brasileira. “Essa janela pode ser aberta com uma nova forma de institucionalidade que permita à universidade gerir suas atividades-fim de maneira muito mais flexível do que os organismos atuais podem fazer. Esse trabalho que nós vamos fazer em relação à UFJF e ao CAEd pode ser, certamente, muito pioneiro nesse campo”, destaca Barone.

A pretensão, segundo o secretário, é que seja possível abrigar iniciativas de universidades que desenvolvem competências em um campo específico de atividade, como faz o CAEd na área das políticas públicas educacionais e, em particular, no tema da avaliação da educação e todos os seus correlatos. Ainda sobre a educação superior, Barone destacou a ampliação da oferta, informando que a taxa líquida de jovens com idades entre 18 e 24 anos subiu significativamente. Ele considera necessário, diante desse quadro, repensar a diversidade de modelos institucionais e a arquitetura dos cursos de graduação.

Abertura para pós-graduação profissional

Outro ponto importante destacado por Barone diz respeito aos programas de pós-graduação profissional. O secretário afirma que os programas de mestrado e doutorado brasileiros são, tipicamente, acadêmicos, mesmo quando ligados a áreas profissionais, como é o caso do Direito e da própria Educação. “A maior parte dos nossos programas de educação é voltada à formação de recursos humanos para a reflexão sobre os fundamentos da educação, não se trata, portanto, da proximidade do fenômeno educação do ponto de vista prático”, avalia. A expansão dos cursos profissionais, segundo o secretário, faz parte do escopo da diversificação do formato dos programas de pós- graduação.

“Os programas de mestrado profissional já estão relativamente consolidados no Brasil. Entende-se, em muitas áreas de conhecimento, que a avaliação deve ser diversificada, porque se trata de formar recursos humanos dotados de capacidade analítica e de instrumentos ligados à metodologia científica para aplicá-los a situações do cotidiano do mundo do trabalho, e não a situações que estão confinadas aos limites da ciência e da tecnologia em si”, considera Barone. Ele destaca que as iniciativas pioneiras mostraram um caminho possível a ser seguido, e um desdobramento disso é a possibilidade de criação de doutorados profissionais.

Os desafios da formação de professores

Ao falar sobre a formação de professores, o secretário afirma ser um tema central, mas bastante complexo. No centro dessa discussão, existem grupos que defendem uma formação muito focada nos fundamentos da educação e, no outro extremo, aqueles que acreditam que a formação deve ter seu foco no treinamento dos profissionais para o exercício da docência. Além disso, o secretário ressalta que há alguns conflitos entre as demandas dos campos específicos de formação e da própria área da educação.

“Encontrar uma chave para dar, ao mesmo tempo, identidade à formação de professores e, mais ainda, um programa formativo que lhes permita encontrar um meio termo é o grande desafio. Ganhar o degrau da institucionalidade e diluir a atomização das discussões é, para mim, uma das forças favoráveis à melhoria do processo de formação de professores”, observa Barone.

O secretário afirma que algumas políticas do ministério agregam um componente significativo de formação de professores ligado à atividade-fim. Barone vê uma alternativa que pode, na prática, ajudar a romper as dificuldades, que é a obrigatoriedade de proximidade dos estudantes de licenciatura com a escola. “Se isso se tornar uma regra, acho que vamos ganhar, com a prática, muitos terrenos. Vamos vencer muitos preconceitos, inclusive aqueles que são de natureza política. Não há a menor possibilidade de uma licenciatura funcionar sem que haja muita conexão com a escola básica”, conclui.

 


Criado em: May 15 2018 | Categoria: Notícias |

PPGP DIVULGA EDITAL E ABRE INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO SELETIVO 2018

A Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa e a Coordenação do Programa de Pós-Graduação Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública ​tornam pública a divulgação do Edital e abrem as inscrições para seleção do MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA, para o ano de 2018.

Para maiores informações, acesse os links abaixo:


Criado em: Apr 13 2018 | Categoria: Notícias |

Professor Manuel Palácios é condecorado no Palácio do Planalto


O professor Manuel Palácios, coordenador geral do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF) foi homenageado com a Ordem Nacional do Mérito Educativo, no grau Cavaleiro, entregue em cerimônia realizada no dia 7 de março, no Palácio do Planalto, em Brasília. A honraria destaca sua importante contribuição para a construção coletiva da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), durante o período em que esteve à frente da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação (MEC), entre fevereiro de 2015 e maio de 2016.

Ao todo, 110 personalidades foram agraciadas pelos serviços prestados à educação brasileira. A cerimônia contou com a participação do presidente da República, Michel Temer, do ministro da Educação, Mendonça Filho, e do chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, além do presidente do Senado federal, Eunício Oliveira.

Mendonça Filho abriu a solenidade saudando os homenageados e destacando as iniciativas do governo em prol da educação, entre elas, a BNCC. Em seguida, o presidente Temer iniciou a entrega das insígnias do Mérito Educativo, homenageando, com o grau Cavaleiro, a memória da professora Heley de Abreu Silva Batista, morta ao lado de nove crianças que tentava salvar do incêndio criminoso ocorrido em uma creche de Janaúba, em Minas Gerais, em outubro do ano passado.

Os governadores do Ceará, Camilo Santana, do Espírito Santo, Paulo Hartung, e de Santa Catarina, Raimundo Colombo, entre outras autoridades, receberam medalhas do grau Grã-Cruz. Entre os condecorados com os méritos Comendador e Oficial estão o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Aléssio Costa Lima, e o secretário de Educação do Ceará, Idilvan Alencar.

No Palácio do Planalto, a presidente da Fundação Ayrton Senna, Viviane Senna, condecorada com a insígnia de Cavaleiro, agradeceu a homenagem em nome de todos os agraciados e destacou a importância da educação como política estratégica de desenvolvimento humano e social. O presidente Michel Temer encerrou a cerimônia exaltando as iniciativas do seu governo, como a maior oferta de ensino integral e a reforma do ensino médio.

A Ordem Nacional do Mérito Educativo, que agracia personalidades nacionais e estrangeiras que tenham se distinguido por excepcionais serviços prestados à educação, foi criada pelo Decreto no 38.162, de 28 de outubro de 1955 e modificada pelo Decreto nº 4.797 de 31 de julho de 2003.

A homenagem contempla cinco categorias: Grã-Cruz, Grande Oficial, Comendador, Oficial e Cavaleiro. A Ordem tem o presidente da República como Grão-Mestre e o ministro da Educação como Chanceler.

As nomeações e promoções são realizadas por decreto do presidente da República, mediante proposta do ministro da Educação, após parecer favorável do Conselho da Ordem. De acordo com o decreto que institui a condecoração, o Conselho é composto pelo ministro da Educação, pelo chefe de gabinete, pelo secretário-executivo e pelos demais secretários do Ministério da Educação, além dos presidentes do Instituto Nacional Anísio Teixeira (Inep), do Conselho Nacional de Educação (CNE), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).


Criado em: Mar 08 2018 | Categoria: Notícias |

Manuel Palácios recebe mérito por contribuição para BNCC

O professor Manuel Palácios, coordenador geral do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF) recebe, no próximo dia 7 de março, em Brasília, a condecoração da Ordem Nacional do Mérito Educativo. Palácios foi indicado à honraria, pelo Ministério da Educação (MEC), por sua relevante contribuição para a construção coletiva da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), durante o período em que esteve à frente da Secretaria de Educação Básica (SEB) do MEC.

Enquanto secretário de Educação Básica, entre fevereiro de 2015 e maio de 2016, o professor Manuel Palácios mobilizou o país no debate sobre o documento que estabelece o que todos os estudantes têm direito de aprender em todas as etapas da educação básica. Seu trabalho garantiu que a construção coletiva do documento preliminar envolvesse a sociedade como um todo, professores e gestores educacionais, além de organizações, como o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

Mais de 12 milhões de contribuições foram recebidas durante a consulta pública ao documento preliminar da BNCC, em busca de um entendimento nacional em torno do que é importante no processo de desenvolvimento dos estudantes brasileiros da educação básica.

A BNCC elenca os conhecimentos essenciais que todos os estudantes brasileiros têm o direito de ter acesso e se apropriar durante sua trajetória na educação básica, ano a ano, desde o ingresso na creche até o final do ensino médio e vai orientar a construção do currículo das escolas públicas ou particulares brasileiras.

Em dezembro de 2017, a BNCC para a educação infantil e o ensino fundamental foi aprovada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) e homologada pelo governo federal.


Criado em: Mar 06 2018 | Categoria: Notícias |

PPGP encerra Semana Interdisciplinar com palestras sobre PNE

Os professores André Martins, diretor da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Alessio Costa Lima, presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), e José Marcelino de Rezende Pinto, pesquisador na área de financiamento, foram convidados, pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão e Avaliação da Educação Pública (PPGP), para fechar a Semana Interdisciplinar da turma de 2017 do mestrado profissional, cujo tema foi “O balanço do processo do Plano Nacional de Educação – PNE (2014-2024)”. O evento, realizado em janeiro, integra as atividades do mestrado profissional promovido pelo Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF).

Pesquisador do campo das políticas públicas educacionais, o diretor da Faculdade de Educação da UFJF, professor doutor André Martins, falou sobre o processo de elaboração do Plano Municipal de Educação de Juiz de Fora, cujos debates envolveram a rede municipal de ensino, entidades da sociedade civil e a própria UFJF. Ele também apresentou um balanço dos debates que antecederam a aprovação do Plano Nacional de Educação de 2014-2024, analisando seu conteúdo e os contextos de formulação e implementação das metas para a educação brasileira.

André Martins discorreu, ainda, a respeito dos efeitos da aprovação da Emenda Constitucional 95, de 2016, sobre os investimentos em educação, da reforma do ensino médio proposta pelo governo federal e da elaboração da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) sobre o atendimento do direito à educação.

O processo de elaboração da BNCC, do qual participou como membro do Conselho Nacional de Educação, também foi abordado pelo professor Alessio Costa Lima, que, além de presidente da Undime, é dirigente municipal de Educação de Alto Santo, no Ceará. Ele apresentou um balanço da implementação do PNE 2014-2024, a exemplo do que fez na Câmara dos Deputados em audiência sobre o plano.

Ao debater sobre a necessidade de maior colaboração entre os entes federados para o atendimento da educação básica, Alessio Lima destacou os desafios postos para os municípios em relação ao oferecimento e à garantia de educação infantil e ensino fundamental. Seu conhecimento sobre a realidade cearense embasou as reflexões a respeito das condições de desenvolvimento dos sistemas de ensino no estado e seus municípios.

Já o professor José Marcelino de Rezende Pinto, ministrou aula sobre o histórico do financiamento da Educação no Brasil, destacando a experiência dos fundos para a educação (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério – Fundef e Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – Fundeb) e os desafios para a garantia da qualidade da educação na atual conjuntura econômica e política.

Como um dos colaboradores das noções de Custo Aluno Qualidade Inicial (CAQi) e Custo Aluno Qualidade (CAQ), José Marcelino realizou uma oficina com os alunos, em que foi possível simular os valores necessários para a concretização da educação na escola que queremos ter. Além disso, o professor compartilhou com os alunos informações sobre suas recentes publicações e de outros pesquisadores do campo das políticas públicas educacionais.

Reforma da educação pública

O período presencial do mestrado profissional propõe um conjunto de temas de estudo e objetos de investigação empírica, cujo objetivo é a produção de conhecimento e a formação de profissionais para a reforma da educação pública brasileira.

Para isso, apoia-se na associação de programas de pós-graduação acadêmicos com equipes multidisciplinares; um centro de pesquisa, tecnologia e apoio ao desenvolvimento da gestão da educação pública; e com os sistemas estaduais e municipais de educação básica, na perspectiva de se construírem pontes mais efetivas entre a produção científica e os padrões, processos e tecnologias de gestão.

Como parte integrante na formação dos alunos do mestrado, as atividades e aulas presenciais ocorreram nos meses de janeiro e fevereiro, complementares àquelas desenvolvidas a distância. Nesses períodos, os alunos participaram de seminários e oficinas realizados com professores e pesquisadores convidados.


Presidente da Undime, Alessio Costa Lima, apresentou balanço da implementação do PNE para turma do mestrado

O professor José Marcelino de Rezende Pinto ministrou palestra e realizou oficina com ​os mestrandos do curso

Criado em: Feb 20 2018 | Categoria: Notícias |

Seminário discute reformas educacionais na América Latina

As reformas educacionais no Brasil foram tema do painel apresentado pelo doutor em educação Luís Antônio Fajardo Pontes, analista de Avaliação do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF), no Seminário “Aprendendo com as Reformas – A Educação na América Latina”, realizado em Pátzcuaro, México, nos dias 7 e 8 de dezembro.

Fajardo Pontes partiu da Constituição federal de 1988, para destacar os marcos legais das reformas, o financiamento da educação, a avaliação e o monitoramento, o currículo, a formação docente, o acesso e a participação, entre outros temas.

No mesmo painel, intitulado “Reformas educacionais no Brasil e no Equador”, coube ao doutor Harvey Spencer Sánchez Restrepo, diretor de fundo e diretor do Instituto de Avaliação Educativa do governo do Equador, e à professora Adriana López, presidente da Corporação Aleph, Identidad Colectiva do Equador, apresentar as mudanças educacionais em seu país. O painel teve moderação da doutora Dulce Carolina Mendoza, professora e pesquisadora do CREFAL.

O evento foi promovido pelo Centro de Cooperação Regional para a Educação de Adultos na América Latina (CREFAL)e reuniu ao todo representantes de 11 países latino-americanos, que destacaram, em seis painéis, as reformas educacionais mais significativas em cada país nas últimas décadas.

O painel “Reformas Educacionais no Brasil e Equador” está disponível no link: https://www.youtube.com/watch?v=MisfMXlGliI&feature=youtu.be


Luís Fajardo Pontes fala sobre reformas educacionais no Brasil em seminário realizado no México

Criado em: Dec 15 2017 | Categoria: Notícias |